3ª-feira da 7ª Semana Tempo Comum

0

1ª Leitura – Tg 4,1-10

Pedis, sim, mas não recebeis, porque pedis mal.
Leitura da Carta de São Tiago 4,1-10 Caríssimos:
1 De onde vêm as guerras?
De onde vêm as brigas entre vós?
Não vêm, justamente, das paixões
que estão em conflito dentro de vós?
2 Cobiçais, mas não conseguis ter.
Matais e cultivais inveja, mas não conseguis êxito.
Brigais e fazeis guerra, mas não conseguis possuir.
E a razão está em que não pedis.
3 Pedis, sim, mas não recebeis, porque pedis mal.
Pois só quereis esbanjar o pedido nos vossos prazeres.
4 Adúlteros, não sabeis
que a amizade com o mundo é inimizade com Deus?
Assim, todo aquele que pretende ser amigo do mundo
torna-se inimigo de Deus.
5 Ou julgais ser em vão que a Escritura diz:
‘Com ciúme anela o espirito que nos habita’?
6 Mas ele nos dá uma graça maior.
Por isso, a Escritura diz:
‘Deus resiste aos soberbos,
mas concede a graça aos humildes’.
7 Obedecei pois a Deus,
mas resisti ao diabo, e ele fugirá de vós.
8 Aproximai-vos de Deus, e ele se aproximará de vós.
Purificai as mãos, ó pecadores,
e santificai os corações, homens dúbios.
9 Ficai tristes, vesti o luto e chorai.
Transforme-se em luto o vosso riso,
e a vossa alegria em desalento.
10 Humilhai-vos diante do Senhor, e ele vos exaltará.
Palavra do Senhor.

Salmo – Sl 54,7-8. 9-10a. 10b-11a. 23 (R. 23a)

R. Confia teus cuidados ao Senhor,
e ele há de ser o teu sustento!
7 É por isso que eu digo na angústia: +
‘Quem me dera ter asas de pomba *
e voar para achar um descanso!
8 Fugiria, então, para longe, *
e me iria esconder no deserto. R.9 Acharia depressa um refúgio *
contra o vento, a procela, o tufão’.
10a Ó Senhor, confundi as más línguas. R.

10b Dispersai-as, porque na cidade *
só se vê violência e discórdia!
11a Dia e noite circundam seus muros. R.

23 Lança sobre o Senhor teus cuidados, *
porque ele há de ser teu sustento,
e jamais ele irá permitir *
que o justo para sempre vacile! R.

liturgia-17-5Evangelho – Mc 9,30-37

O Filho do Homem vai ser entregue…
Se alguém quiser ser o primeiro, que
seja aquele que serve a todos!
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos 9,30-37
Naquele tempo:
30 Jesus e seus discípulos atravessavam a Galiléia.
Ele não queria que ninguém soubesse disso,
31 pois estava ensinando a seus discípulos.
E dizia-lhes:
‘O Filho do Homem vai ser entregue nas mãos dos homens,
e eles o matarão.
Mas, três dias após sua morte, ele ressuscitará’.
32 Os discípulos, porém, não compreendiam estas palavras
e tinham medo de perguntar.
33 Eles chegaram a Cafarnaum.
Estando em casa, Jesus perguntou-lhes:
‘O que discutíeis pelo caminho?’
34 Eles, porém, ficaram calados,
pois pelo caminho tinham discutido quem era o maior.
35 Jesus sentou-se, chamou os doze e lhes disse:
‘Se alguém quiser ser o primeiro,
que seja o último de todos
e aquele que serve a todos!’
36 Em seguida, pegou uma criança, colocou-a no meio deles,
e abraçando-a disse:
37 ‘Quem acolher em meu nome uma destas crianças,
é a mim que estará acolhendo.
E quem me acolher, está acolhendo, não a mim,
mas àquele que me enviou’.
Palavra da Salvação.

Reflexão – Mc 9, 30-37

O que faz com que na maioria das vezes não compreendamos corretamente a mensagem de Jesus geralmente são as diferenças que existem entre os nossos interesses e os dele. Enquanto Jesus estava pensando na necessidade da cruz para a realização do Reino de Deus, seus discípulos estavam pensando em um reino com critérios humanos, fundamentado principalmente nas diferenças, nas relações de poder e na hierarquia social, econômica e política. Sempre que não nos colocamos em sintonia com o projeto de Jesus e não colocamos o amor como o critério último das nossas vidas, podemos nos equivocar na compreensão do Evangelho e buscar interpretações que existem muito mais para legitimar os nossos interesses do que para nos conduzir à verdade e ao Reino.

Fonte: CNBB

Compartilhar.

Deixe um comentário