Criança feliz…

0

Uma criança é capaz de nos ensinar coisas, que nós adultos um dia soubemos. Ao longo dos anos, com o crescimento, fomos esquecendo e deixando de lado os melhores aprendizados.O aprendizado de quando éramos criança.

A criança é pura, ingênua. Não conhece o mundo, suas maldades.
Para ela não existe diferença entre o rico e o pobre, o gordo e o magro, o alto e o baixo, o feio e o bonito. Ela não conhece parâmetros, medidas. Não tem o preconceito. Simplesmente porque não tem conceito algum. Todos os conceitos serão ensinados a ela.

Não tem noção de perigo, de limite. Do que é certo ou errado. Então desbrava o mundo, com coragem, qualquer aventura ela se arrisca. Até mesmo o simples fato de ficar em pé sem segurar em nada a faz sentir uma vitoriosa. E claro que é. Desbravou o desconhecido, enfrentou e conseguiu!
A criança analisa, observa… E quando diz: deixa eu te perguntar uma coisa… Corre que vai vir uma pergunta cabeluda.

A criança é sincera. Se gostar de algo, gosta. Se não gostar, não esconde.
Ela não vai comer um jiló para fazer o social.
Nem tão pouco se preocupa com sua aparência. Se sua roupa está nos trinques, se o cabelo está bem penteado. Ela é feliz mesmo com a cara toda suja de chocolate!

A criança sorri por coisas tão bobas, que a gente fica se perguntando: qual a graça disso?
Para a criança o pouco é muito. A atenção, a descoberta, as sensações… Tudo é novo.
Ser criança. Fase boa. Fase que passa. Fase que ensina. Fase que aprende.

Como seria bom se tivéssemos nosso olhar de criança para a vida toda, em algumas ocasiões.
Saudades de quando a vida era um simples brincar de boneca.

“As crianças acham tudo em nada, os homens não acham nada em tudo.”
Giacomo Leopardo

Adriana Costa Luz

Sou alguém em constante aprendizado. Sou mãe, sou esposa, sou amiga, sou brava, sou dócil. Gosto de viver, de rir. Ás vezes pareço engraçada, ás vezes forte, ás vezes frágil. Gosto de cantar, de ouvir uma boa música, de estar com pessoas agradáveis, de ler, de poesia, de riso, de prosa.

Compartilhar.

Deixe um comentário