“Rerum Novarum”: a atualidade de uma encíclica

0

Conferenza-su-Rerum-Novarum-allActon-Institute-foto-di-Kasia-ArtymiakEstudiosos de todo o mundo se reuniram em Roma no passado dia 20 de abril, para discutir sobre a Rerum Novarum do Papa Leão XIII, no 125º aniversário da primeira encíclica social moderna.

Conhecido por sua forte oposição ao socialismo, pela defesa da propriedade privada e pela afirmação da legitimidade dos sindicatos, a Rerum Novarum, concordaram os palestrantes, representa também o momento da doutrina social católica moderna.

O presidente e fundador do Instituto Acton, pe. Sirico, conversou com ZENIT sobre a atualidade da encíclica, especialmente no que diz respeito à liberdade religiosa, hoje cada vez mais em risco.

Nos Estados Unidos, no final do século XX, lamentou pe. Sirico, manifestou-se um clima cada vez mais hostil a uma liberdade religiosa genuína e robusta.

Narrando só alguns fatos o sacerdote mostrou como “a liberdade econômica da Igreja (uma das dimensões é o direito de dispor livremente da propriedade) foi atacada e, neste processo, a sua verdadeira missão e a sua verdadeira essência foram ameaçadas”.

“No Arizona, um pastor protestante foi preso por manter seus estudos bíblicos na própria casa, com a acusação das autoridades de ter violado as leis estaduais que proíbem a realização de reuniões regulares em casas particulares”.

“Na Pensilvânia, Washington DC e muitos outros lugares, algumas dioceses católicas com problemas financeiros foram impedidas de gerir a responsabilidade de suas propriedades, por causa de adversários que utilizam códigos históricos de preservação para impedir a alteração, a venda ou a demolição das estruturas eclesiásticas”.

“Em Massachusetts, Illinois e em outras jurisdições, as agências católicas foram obrigadas a abandonar os seus serviços adotivos, por causa da obrigação de entregar crianças também a casais do mesmo sexo. Esses requisitos têm força de lei, porque o Estado controla as licenças de adoção para as agências”.

“Um caso que continua a ser objeto de controvérsia, diz respeito às tentativas de forçar as Irmãs dos Pobres – instituição religiosa que cuida dos idosos e moribundos – a contribuir para o seguro sanitário que compreende a cobertura de prática que violam a moral católica”.

“O assim chamado HHS é uma disposição da reforma sanitária do presidente Obama que causou uma série de ameaças para a liberdade religiosa. Atividades comerciais de propriedade de cristãos, colégios religiosos e outras instituições desafiaram o mandato”.

Esse congresso foi o quinto e último de um ciclo de cinco, intitulado Una e Indivisível? A relação entre liberdade religiosa e econômica.

Por Zenit

Compartilhar.

Deixe um comentário